sábado, 14 de junho de 2008

Notas de sábado


Ordem no galinheiro
Quem sofre com o atendimento dos call centers, pode ter seus problemas amenizados. O Ministério da Justiça apresentou proposta para otimizar o serviço de atendimento ao cliente via telefone. Dentre as novas medidas que podem ser adotadas estão o atendimento 24 h , todos os dias da semana e a proibição de que o cliente passe por inúmeros atendentes até que seu problema comece a ser resolvido. Agora é torcer para que tudo não fique no papel.

Morte para abrir os olhos

Constantemente se vê a apreensão de máquinas caça-níqueis clandestinas. Nada foi feito de realmente eficaz para que a farra das máquinas, a maioria delas adulteradas para ganhos desonestos de seus donos, acabasse. Foi preciso um policial, que trabalhava numa casa de jogos, ser morto para que a Polícia Civil demonstrasse mais vontade em tentar solucionar o problema.

A volta dos que mal se foram
A saudade foi tamanha que ela voltou. Quem? A CPMF. É claro que sua volta foi procedida de uma recauchutagem e de um rebatismo. Agora sob a alcunha de CSS (Contribuição Social para a Saúde). Muitos partidos, através de suas bancadas na Câmara Federal, abaixaram a cabeça, dentre eles o PC do B, o PMDB, o PSB, O PRB, o PT e o PTB contribuíram com a ressurreição da taxa, que faz com que a saúde pública brasileira seja a maravilha que é.

O oba-oba do FICA
O sucesso que faz o FICA (Festival Internacional de Cinema Ambiental), na cidade de Goiás, é incontestável e o público que passa por lá é crescente. O auê em torno do evento é grande e faz com que pessoas que mal sabem do se trata realmente engrosse o público. É certo que muita gente que lá está tem realmente interessada nos filmes e discussões, mas muitos estão por estar. Logo não se pode dizer que há por parte dos freqüentadores a consciência ecológica pregada pelo Festival.

Tarjas dançantes

Está rolando um vídeo muito legal e em breve (algo como um dia ou menos) deve se transformar em mais um hit do Youtube. A descoberta foi feita pelo blog Querido Leitor, que por sua vez descobriu-o em outro blog, o Sedentário & Hiperativo. Trata-se de um clip de uma música em climinha retrô e dançante (nada que lembre boates, hein), onde os atores aparecem pelados com tarjas de censura nas “partes” e, com a dança que fazem, as tarjas vão fazendo sua própria coreografia.

Um comentário:

Augusto disse...

Entre call centers, saúde pública e máquinas de jogo, a única coisa que se tira de novidade é o exagero no uso do gerúndio. Mas nada de atrativo e valioso! Aliás, bastante negativo.